Revista Multimídia Ambiental

Pensando em um mundo melhor.

A carta da Amazônia #AmazonWeb

Imagem

As entidades e movimentos da sociedade civil presentes no 1º AmazonWeb, realizado nos dias 1 e 2 de setembro e no III Fórum da Internet no Brasil realizado nos dias 3, 4 e 5 do mesmo mesmo, na cidade de Belém, vêm a público declarar:

O modelo de governança da Internet no Brasil, conduzido pelo Comitê Gestor de Internet no Brasil – CGI.BR, é referência para comunidade internacional como sistema eficiente e representativo da multi setorialidade composta pelos diversos segmentos da sociedade brasileira.

O método de governança do CGI produz coesão em torno de políticas para avanço quantitativo e qualitativo da Internet no Brasil e tem como referência os valores expressados em seu decálogo de princípios construídos consensualmente por todos os setores. O AmazonWeb apóia o modelo brasileiro de governança e reconhece a legitimidade do CGI na sua missão institucional.

O “Marco Civil da Internet” é um projeto de lei que visa a consolidar direitos, deveres e princípios para a utilização e o desenvolvimento da Internet no Brasil. A iniciativa partiu da percepção de que o processo de expansão do uso da Internet por empresas, governos, organizações da sociedade civil e por um crescente número de pessoas colocou novas questões e desafios relativos à proteção dos direitos civis e políticos dos cidadãos. É crucial o estabelecimento de condições mínimas e essenciais para que a Internet continue livre e aberta e permita a inovação contínua, o desenvolvimento econômico e político e a emergência de uma sociedade culturalmente vibrante.

Defendemos a imediata aprovação do relatório do marco civil da internet que garante a neutralidade da rede, essencial para o livre desenvolvimento da internet, das tecnologias a ela relacionadas e à garantia da liberdade de expressão nos meios digitais.

Apoiamos o desenvolvimento nacional de tecnologias livres de comunicação que permitem a livre conexão entre cidadãos, a segurança na rede, privacidade dos dados e soberania tecnológica de nosso país. Por isso apoiamos o desenvolvimento das redes sociais federadas, livres e descentralizadas, baseadas em software livre e de código aberto. Nesse sentido, apoiamos o Blogoosfero.cc, plataforma livre e soberana de comunicação desenvolvida em software livre nacional.

Compreendemos a importância da inclusão digital para o desenvolvimento de uma nação livre e soberana e para a garantia do acesso à internet de qualidade como direito humano, por isso exigimos do Governo do Pará a reavaliação do programa “Navega Pará” para sua ampliação de forma séria e comprometida com a garantia de repasse de recursos para sua viabilidade técnica, implementação com sustentabilidade, garantindo a inclusão digital em todos os municípios e para as populações tradicionais como quilombolas, indígenas, ribeirinhos, entre outros.

Apoiamos também à ação popular mantida pelo autor substituto, o sociólogo Domingos Conceição, contra o “convênio” entre a Fundação de Telecomunicações do Pará (Funtelpa) e a TV Liberal, afiliada da Rede Globo, no Pará. Assim, os ativistas digitais, lideranças dos movimentos sociais e demais participantes do 1º AmazonWeb referendam o pensamento de que a sentença proferida na 21ª vara cível do Estado do Pará, ignorou argumentos importantes que deixam claro nos autos do processo que a relação entre a Funtelpa e a TV Liberal não se trata de convênio e sim de um contrato disfarçado. Esse “convênio” é um escândalo e um desrespeito à sociedade paraense, portanto exigimos a conclusão do processo de apuração – legal, administrativa e política do caso e respeite o verdadeiro caráter público da TV Cultura do Pará.

Conclamamos todos os movimentos da sociedade civil a um engajamento mais efetivo na defesa da campanha em favor do Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Mídia Livre, que visa regulamentar artigos que tratam da comunicação social e que são fundamentais para assegurar o soberano direito à informação.

A multinacional Amazon.com, empresa estadunidense de vendas online, pediu o registro do domínio .AMAZON na rede mundial de computadores. O pedido foi feito à ICANN, sigla em inglês para Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números, responsável pela coordenação global do sistema de identificadores exclusivos da Internet, entre eles endereços numéricos e os respectivos nomes de domínio.

A aprovação deste pedido significará o domínio exclusivo da empresa, privando interesses de brasileiros, peruanos, bolivianos e demais países que compõem a Amazônia Global, do direito de registrar na Internet qualquer site cujo nome termine em .AMAZON. Na prática, significa que uma organização dos países da Amazônia Global só conseguirá registrar um site com o final .AMAZON se tiver autorização prévia da empresa Amazon Inc, Assim, endereços como “www.manaus.amazon”, “www.river.amazon”, “www.acai.amazon”, “www.ianomani.amazon”. “www.qualquercoisa.amazon” seriam exclusivos da empresa detentora deste domínio de primeiro nível. Além disso, a empresa estadunidense fez o pedido do registro em várias línguas.

Em repúdio à tentativa de privatizar o domínio .amazon, apoiamos a campanha “Nossa Amazônia” e conclamamos a todos que assinem a petição online, que reúne assinaturas dos brasileiros contrários ao registro, disponível no endereço http://www.nossaamazonia.org.br.

Por fim, queremos expressar nosso mais profundo descontentamento com o fato de que a comunicação via internet em nossa região, seja a mais precária e com menor infraestrutura do país, chegando ao absurdo de custar mais de dez mil reais, um simples link de 1mb, em municípios do arquipélado do Marajó e da transamazônica, só pra citar como exemplos.

Essa realidade precisa ser mudada urgentemente e por isso, reivindicamos que o governo federal, o governo do Estado do Pará e o Comitê Gestor da Internet possam intervir e mudar essa condição a que estamos submetidos na amazônia, pois consideramos que sem a inclusão digital, continuaremos mais excluídos do que já somos.

Assinam:

CUT-PA.
CTB-PA.
FNDC-PA,
SUCESU- PA.
SINDPD-PA.
BARÃO DE ITARARÉ-PA.
REVISTA PZZ.
ASL-PA.
PARATODOS.
UNE.
UJS.
KIZOMBA.
COLETIVO FORA DO EIXO-PA.
MOCAMBO.
FÓRUM DE MULHERES DA AMAZÔNIA PARAENSE.
MOCAMBO.
NUP@M – NÚCLEO DE PRODUÇÃO AMAZÔNICA.
INTERVOZES – COLETIVO BRASIL DE COMUNICAÇÃO SOCIAL.
CUT-RJ.
SINDIPETRO-RJ.

Anúncios
Deixe um comentário »

Saiba tudo sobre plástico biodegradável

images

Problema em todo o mundo, o lixo em geral tem um impacto social e ambiental muito negativo – degradação do meio ambiente, poluição do solo e aumento no número de aterros irregulares estão entre os principais problemas. No entanto, alguns materiais são piores que os outros, como é o caso do plástico.

Feito a partir de derivados do petróleo, o plástico comum é composto por material sintético e leva de 40 a 200 anos para se decompor. Presente em nosso dia a dia nas sacolas de supermercados e garrafas, por exemplo, ele é considerado um inimigo.

Para solucionar um dos maiores problemas dos lixões, há quem considere o uso de um modelo diferente e natural: o plástico biodegradável (PHB). Composto por um material duro, ele é mais resistente e possui uma durabilidade maior.

Dentre suas utilizações, podemos destacar o uso em embalagens, na agricultura – lâminas de plástico que podem ser misturadas na terra com o composto e as sementes – e produtos medicinais – cápsulas que abrigam medicamentos e se desfazem no interior do corpo.

O produto se difere porque, como o próprio nome já sugere, pode ser degradado por micro-organismos (bactérias ou fungos) na água, dióxido de carbono (CO2) e algum material biológico. O tempo estimado para que isso aconteça é de 12 meses.

No entanto, é importante lembrar que, apesar de sustentável e de melhor para o meio ambiente, esse tipo de plástico requer condições específicas para poder degradar corretamente, que envolvem a temperatura e umidade.

Do que é feito o plástico biodegradável?

biodegradavel-300x199

s plásticos biodegradáveis são feitos a partir de fontes naturais, como óleo de milho, cascas de laranja, amido, entre outros. O processo de produção de plásticos biodegradáveis envolve a fusão de todos os materiais e, depois, a transformação em novos produtos, como garrafas e sacolas.

Há diversos modos de fazer PHB. Nos EUA, a fabricação é predominantemente realizada a partir do milho. No Brasil, o tipo de produção varia e há pesquisas constantes sobre o tema em diversas universidades e organizações.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), de São Paulo, por exemplo, descobriu uma forma simples de produzir PHB, também com cana-de-açúcar. Uma pesquisa pioneira revelou que ao fornecer uma alimentação balanceada às bactérias, para que elas se reproduzam, e depois retirar nutrientes e dar só açúcar, elas param de se reproduzir e só engordam, produzindo plástico.

Depois de feito isso, o processo é facilitado, já que basta que os pesquisadores separem e recolham a matéria-prima praticamente pronta.

Fonte: Pensamento Verde

Deixe um comentário »

Expedição faz levantamento inédito do Parque da Serra do Pardo, no Pará

Marcado pelo desmatamento, local concentra riqueza de plantas e animais.
Reserva está na região conhecida como Terra do Meio.

Uma expedição científica fez um levantamento inédito da biodiversidade do Parque Nacional da Serra do Pardo, na região da Terra do Meio, no Pará. O local, marcado pela grilagem e pelo desmatamento, concentra uma imensa riqueza de plantas e animais.

Terra do Meio fica no centro do Pará, entre Altamira e São Félix do Xingu. A área é uma das mais ricas em biodiversidade na Amazônia. Durante 11 dias um grupo de 50 pesquisadores fez uma expedição no Parque Nacional da Serra do Pardo, uma das unidades de conservação na Terra do Meio. Partindo de Belém, foram três horas de avião e helicóptero até chegar ao parque, que tem o tamanho equivalente a 450 mil campos de futebol.

No meio da floresta, o Instituto Chico Mendes montou três bases para o trabalho das equipes. Foram improvisados laboratórios e alojamentos. Foram encontradas cinco novas espécies de peixes e 35 espécies de aves que os biólogos não esperavam encontrar na região, como o pássaro conhecido como cancão, típico da caatinga.

Já o grupo de botânicos se deparou com orquídeas e plantas carnívoras que são mais comuns no cerrado. O potencial de estudo científico no parque deixou os pesquisadores motivados.

“A área na Terra do Meio demanda inúmeros inventários. Essa é ponta do iceberg em termos de descobertas científicas”, explica Gianize Cunha, bióloga da UFPA.

O parque fica em uma área de transição geológica, entre o planalto central e a floresta amazônica. As descobertas podem ajudar os pesquisadores a entenderem como plantas e animais de outras florestas do país conseguiram se adaptar à Amazônia.

“Essa biodiversidade é muito importante não só para a pesquisa, mas para a sociedade brasileira. Daqui pode se achar uma série de espécies que podem alterar na área de segurança alimentar a cesta básica do mundo, com outras alternativas”, diz Rômulo Mello, presidente do Instituto Chico Mendes.

O estudo da biodiversidade da região pode abrir caminhos não apenas para novas descobertas, mas também para o turismo. A pesquisa é importante para definir se o parque poderá ou não ser aberto à visitação pública.

Na região há cachoeiras, igarapés e pequenas praias banhadas pelo Rio Xingu. O trabalho dos pesquisadores servirá para a elaboração do plano de manejo do parque, ou seja, em que áreas e condições a região poderá vir a receber os turistas.

“Os parques se caracterizam pelas belezas cênicas. Onde tem beleza cênica o cidadão quer ver. Então, precisamos associar essa potencialidade e a perspectiva de desenvolvimento de pesquisas e de interesse empresarial para que o turismo aconteça”, completa Fabiano Villela, Parque Nacional da Serra do Pardo.

Além do Instituto Chico Mendes, participam pesquisadores da Universidade Federal do Pará e do Museu Emílio Goeldi.

Fonte: Amazônia

Deixe um comentário »

Megafauna foi crucial para fertilizar a Amazônia

Com a extinção de animais como os mastodontes e as preguiças gigantes, a dispersão de fósforo na bacia amazônica teria despencado 98%

Durante milhares de anos, os animais gigantes fertilizaram a bacia amazônica ao espalhar nitrogênio, fósforo e outros nutrientes contidos em seus excrementos, antes de desaparecerem abruptamente. Com isso, privaram definitivamente a região deste aporte maciço de adubo, revelou um estudo publicado neste domingo na revista Nature Geoscience.

Predominantemente herbívoros, estes mamíferos gigantes consumiam quantidades importantes de vegetais, absorvendo nitrogênio e fósforo que liberavam nas fezes e na urina por onde passavam. Segundo o estudo, eles também contribuíram para redistribuir esse adubo natural em distâncias muito grandes — sem ele, os solos permaneceriam estéreis, particularmente na bacia amazônica.

Mas o que aconteceu depois que esta megafauna desapareceu há 12 mil anos, depois de uma extinção maciça provavelmente vinculada a uma mudança climática e às atividades humanas?

Segundo cálculos dos pesquisadores, a dispersão do adubo cessou rapidamente com o desaparecimento da megafauna, há 12.000 anos. Assim, a redistribuição de adubo acabou limitando-se aos sedimentos transportados dos Andes por meio dos rios e ribeirões. Segundo o modelo matemático desenvolvido por eles, a dispersão de fósforo na bacia amazônica teria, desta forma, despencado 98%.

“Em outras palavras, os grandes animais são como as artérias de nutrientes para o planeta. Se eles desaparecem, é como se cortássemos essas artérias”, diz o principal autor do estudo, Christopher Doughty, da Universidade de Oxford, no Reino Unido. “Porque a maioria destes animais desapareceu, o mundo tem muito mais regiões pobres em nutrientes do que teria tido caso contrário.”

CONE SUL

O estudo se concentrou na Amazônia, mas o estudioso considera provável que essas transferências de nutrientes tenham ocorrido em todo o continente sul-americano, também na Austrália e em outras regiões do planeta. Em todos os cenários, as transferências foram interrompidas com o desaparecimento da megafauna.

“Mesmo que 12.000 anos seja uma escala de tempo que não tenha grande sentido para a maioria das pessoas, com esse modelo mostramos que as extinções que ocorreram na época continuam a afetar atualmente a saúde do nosso planeta”, afirmou Doughty. Segundo ele, o modelo concebido para o estudo pode ser adaptado ao nosso mundo moderno. “Podemos estimar os efeitos de longo prazo na fertilidade do solo se animais como os elefantes desaparecessem”, disse.

“Se os humanos contribuíram para a extinção em massa dos animais gigantes há 12 mil anos, então podemos concluir que eles começaram a afetar o meio ambiente muito antes do surgimento da agricultura”, diz Adam Wolf, pesquisador em Ecologia da Universidade de Princeton, nos EUA, que participou do estudo.

Fonte: Planeta Sustentável http://abr.ai/1dmCXWS

Deixe um comentário »

País testa sistema para monitorar ambiente

Mecanismo funciona como ‘nuvem de pólen’, em que microssensores caem e fazem medições pontuais de temperatura, pH e gases

Um novo sistema de monitoramento ambiental com sensores miniaturizados e veículos não tripuláveis será testado na Amazônia. Responsável pelo projeto, o pesquisador Paulo Antônio de Souza Junior, professor da Universidade da Tasmânia, na Austrália, avalia que a tecnologia poderá oferecer uma “transformação da maneira como se faz monitoramento ambiental”.

Na semana passada, foi assinado em Belém um convênio entre a universidade australiana e o Instituto Tecnológico Vale. A parceria prevê investimentos de R$ 1,5 milhão no novo sistema e, segundo Souza Junior, os primeiros resultados poderão ser conhecidos em até dois anos.

“Imagina se você tivesse a oportunidade de medir a temperatura em cada folha de uma árvore numa região, por exemplo, de dez hectares? Esse detalhe da informação nós não temos hoje”, diz o pesquisador, que se formou em Física na Universidade Federal do Espírito Santo e fez doutorado em Ciências Naturais na Alemanha.

Segundo o professor, o novo sistema de monitoramento funciona como uma “nuvem de pólen”, com milhares de microssensores que caem sobre uma região para fazer medidas pontuais, como variações de temperatura, pH e gases. As medições poderão ocorrer até em áreas baixas, mesmo no meio aquático, e em copas de árvores. “Vamos entender dinâmicas de pássaros, insetos e árvores com mais precisão, como nunca se fez antes.”

Clima

Para o pesquisador, o monitoramento de colônias de insetos seria a principal aplicação da nova tecnologia no País. “Os insetos poderiam trazer uma série de dados sobre mudanças do clima de forma indireta, porque são afetados de maneira muito clara pelas alterações climáticas. Seria algo fantástico, não temos nada parecido.”

O professor elogia a capacidade brasileira de sensoriamento remoto na Amazônia, feito por meio de satélites. “O País não precisa de colaboração nesse sentido, o que trazemos é um complemento.” Segundo ele, como o sensoriamento hoje não é feito 24 horas por dia e pode ser prejudicado quando há cobertura de nuvens, os sensores poderiam ser complementares.

Outra aplicação do sistema seria o monitoramento, por exemplo, de uma região afetada por incêndios.

Fonte: Estadão

Deixe um comentário »