Revista Multimídia Ambiental

Pensando em um mundo melhor.

Pirarucu de manejo sustentável será vendido em SP

em 03/04/2012

O pirarucu (Arapaima gigas), peixe da bacia amazônica, pescado e salgado em Maraã (AM), será vendido a partir de abril em lojas do Extra e do Pão de Açúcar em São Paulo. Os pescadores da região seguem regras de manejo sustentável, para evitar que a espécie fique em risco.

O Governo do Amazonas e a Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror-AM) fizeram uma parceria com o Grupo Pão de Açúcar, que se comprometeu a comprar e comercializar a produção de Marãa (AM), onde há uma indústria de salga. A primeira remessa, de cinco toneladas do chamado “bacalhau da Amazônia”, já foi adquirida pelo Pão de Açúcar. “Nós damos orientação para que eles possam oferecer um produto mais interessante para o consumo em São Paulo. Uma sugestão, por exemplo, foi fazer a salga com o peixe bem fresco”, diz Paulo Pompilio, do diretor de relações institucionais do grupo Pão de Açúcar.

Para estimular que os chefs paulistanos incluam o pirarucu salgados em suas receitas, o projeto também contou com o apoio do restaurante Dressing, do empresário João Paulo Diniz. Com ajuda do chef Felipe Schaedler, do restaurante Banzeiro, de Manaus, o chef do Dressing, Ednaldo Santana, está preparando um menu com o peixe de água doce e outros ingredientes amazônicos. “Vou fazer testes com diversos tipos de molhos para escolher um que combine com o sabor forte do pirarucu”, diz Santana.

Dos 700 pescadores da colônia Z32 de Maraã, 530 estão capacitados para fazer o manejo sustentável do pirarucu. Quem afirma é o líder da colônia, Luiz Gonzaga Medeiros de Matos. “Temos muitas regras para poder manejar o pirarucu. É preciso pagar vigias para evitar que pessoas de fora façam a pesca predatória do pirarucu, por exemplo. E temos que respeitar a época de pesca, restrita aos meses de outubro e novembro, com limitação de número de peixes pescados”, diz. O município de Marãa fica a mais de 600 quilômetros de Manaus, capital do Amazonas, e fica na reserva de desenvolvimento sustentável Mamirauá.

O pirarucu é um peixe predador de grande porte, que chega a três metros de comprimento e 250 quilos. Gonzaga explica que a pesca do pirarucu é feita com arpão, que é atirado contra o peixe quando ele sobe à superfície para respirar, e malhadeira (rede).

O projeto do pirarucu salgado também tem o apoio da Fundação Amazônia Sustentável (FAS), que estimula a obtenção de renda por meio da produção sustentável de produtos locais. Segundo Virgílio Souza, superintendente geral da FAS, esse tipo de ação ajuda a evitar o desmatamento da Amazônia. “O desmatamento não pode ser o sustento dessa população”, diz.


Fale conosco, deixe um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: